BahiaEducaçãoPolítica

Cursos de capacitação ofertados pelo Nema promovem intercâmbio de conhecimentos nas Unidades de Conservação da ararinha-azul

Universidade em Pauta

Promover a troca de saberes e qualificar os moradores que vivem no interior e entorno das unidades de conservação da ararinha-azul, na zona rural de Curaçá (BA). Este foi o principal objetivo da primeira temporada de cursos gratuitos oferecidos pelo Núcleo de Ecologia e Monitoramento Ambiental (Nema) da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), por meio do projeto RE-Habitar Ararinha-azul.

As capacitações foram realizadas para popularizar conceitos, métodos e técnicas de recuperação hidroambiental de áreas degradadas usados pelo projeto. A primeira temporada de cursos foi finalizada no mês passado com o encerramento da capacitação sobre “Sistemas Agroflorestais para o Semiárido”.

Todas as capacitações ocorreram na Associação de Agropecuaristas da Fazenda Melancia e Adjacências e propriedades próximas, localizadas no Refúgio Silvestre (RVS) da Ararinha-azul, com sessões teóricas e práticas. Uma média de 33 pessoas participou de cada um dos dez cursos, que foram direcionados à população das zonas rural e urbana de Curaçá e de outros municípios da Bahia e de Pernambuco. Entre os participantes destacam-se agricultores familiares, estudantes, professores, colaboradores do projeto, além de profissionais de instituições parceiras como Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Association for the Conservation of Threatened Parrots (ACTP) e BlueSky Caatinga.

Foram ministrados cursos sobre diversas temáticas, sendo cada uma sobre uma das ações executadas pelo projeto RE-Habitar Ararinha-azul para reconstituir e facilitar a conservação da região, como técnicas de recuperação de áreas degradadas, tecnologias sociais, produção de mudas e construção de viveiros. Com a finalização dos cursos, os participantes se tornaram mais capazes de seguir realizando todas as ações do projeto, de modo a se profissionalizar, melhorar a qualidade de vida na região, além de contribuir para restaurar e conservar a vegetação nativa, que os sustenta, ao seu modo de vida e à fauna silvestre.

Como material de apoio às aulas, foram produzidos guias de campo para cada uma das capacitações e distribuídos aos participantes. O material auxilia na aprendizagem e possibilita que o conhecimento seja replicado, através de linguagem acessível, exemplos, imagens e ilustrações. Para ampliar a divulgação do conhecimento, todos os guias estão disponíveis para download gratuito no site do Nema.

De acordo com a pesquisadora do projeto RE-Habitar Ararinha-azul, Cláudia Martins, os cursos foram pensados como uma forma de envolver pessoas, famílias e comunidades no movimento da restauração e da conservação.

“Entendemos que os projetos têm um ciclo de vida, almejando deixar o local melhor do que quando iniciaram. Reconhecemos, porém, que quando terminam, as ações e governança cabem exclusivamente às pessoas do local. Então, apesar do foco ser a capacitação através da troca de conhecimentos técnico-científicos e tradicionais, os cursos acabam por cumprir um papel agregador e multiplicador, o que é excelente, em termos sociais e ambientais”, ressalta.

Novos cursos serão oferecidos na segunda temporada, que já iniciou com a realização de duas capacitações. No total, serão seis cursos gratuitos sobre os mesmos temas (sementes, mudas, cordões em contorno, barragens sucessivas, implementação e monitoramento da recuperação), realizados na zona urbana de Curaçá. A divulgação das inscrições para as capacitações são realizadas no Instagram do projeto.

RE-Habitar Ararinha-azul

Projeto desenvolvido no âmbito do Projeto Estratégias de Conservação, Restauração e Manejo para a Biodiversidade da Caatinga, Pampa e Pantanal (GEF Terrestre), que é coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima (MMA) e financiado com recursos do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF). O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) é o órgão implementador, o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio) é o órgão executor financeiro e a gestão administrativa do projeto é realizada com a participação da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento (Fade), da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Cinara Marques

Página do Portal Tribuna Nordeste que visa mostrar notícias diárias da região com foco nos estados de PE, BA e PB, Vale do São Francisco, Petrolina/PE, Juazeiro/BA e o que for importante como informação para o Brasil e o mundo. Acesse tribunanordeste.com.br e fique sempre bem informado. Mande sua sugestão no 81 9 9251-9937 ou [email protected] .

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

LUMOS
%d blogueiros gostam disto: